Rock in Rio - O Guia Completo Para Curtir o Festival e o Rio de Janeiro

Rock in Rio – O Guia Completo Para Curtir o Festival e o Rio de Janeiro

O Rock in Rio 2017 tá chegando, galera! Falta menos de um mês para o início de um dos maiores festivais de música do mundo, a Cidade do Rock já está quase toda prontinha e o Rio de Janeiro se prepara para receber uma enxurrada de visitantes para lotar todos os dias de shows.

E pra quem vem de outras cidades e não conhece bem o Rio de Janeiro, é normal surgir um monte de dúvidas seja sobre algum detalhe do evento, ou sobre as boas da cidade mesmo. E é pra isso que a gente montou esse guia, com todas as dúvidas que imaginamos que possam surgir de última hora, para ajudar no arremate do seu planejamento de viagem. Se liga só em tudo o que você vai encontrar aqui:

  • A Nova Cidade do Rock
  • Como chegar ao Rock in Rio;
  • Rock in Rio Primeira Classe;
  • Pontos Físicos de Retirada de Ingressos;
  • Hotéis e Hostels bem localizados e que ainda tem vaga para os dia de Rock in Rio;
  • Onde Comer? As melhores Hamburguerias e Cafés espalhados pelo Rio de Janeiro;
  • O que fazer pela cidade nos dias sem shows;
  • Serra e mar: Cinco bate-voltas incríveis pra completar o seu roteiro;
  • Dicas de segurança dentro e fora da Cidade do Rock.

Uma Nova Cidade do Rock

Um dos maiores legados entregues para o Rio de Janeiro pelos Jogos Olímpicos de 2016 foi o Parque Olímpico, uma estrutura monstra, com várias arenas e que, além de servir para a preparação dos nossos atletas para competições futuras, e agora também será a nova casa do Rock in Rio. Com isso, a Cidade do Rock dobrou de tamanho e trará grandes novidades.

A maior delas, com certeza é a parceria com a Comic Con Experience que trará a Game XP para dentro das arenas olímpicas, com diversas experiências envolvendo o mundo dos games, além do campeonato de celebridades. Em paralelo, a parceria desembarca na Cidade do Rock trazendo a final do Concurso Cosplay Game XP e a Art Street.

Outras duas novidades são a Gourmet Square e a Capela. A primeira será um espaço refrigerado de 1000 m², com capacidade para 630 pessoas sentadas, inspirado no Mercado da Riberira, em Lisboa, onde 16 bares terão seus cardápios assinados por renomados chefs de cozinha. Na segunda, ocorrerá a celebração dos casamentos dos casais vencedores da promoção “Eu vou casar no Rock in Rio”.

No campo da música, a novidade é o Rock District, o mais novo bairro da Cidade do Rock, onde artistas nacionais se apresentarão relembrando grandes momentos de outras edições do festival. Saca só como vai ficar isso tudo:

Como chegar ao Rock in Rio?

Como dissemos, quem veio ao Rock in Rio nas últimas três edições vai notar algumas diferenças nesta edição e a primeira delas é o endereço da Nova Cidade do Rock. O Rock in Rio mudou de casa e agora será realizado dentro do Parque Olímpico, aproveitando a estrutura deixada pelos jogos para aumentar ainda mais as possibilidades de diversão.

Em termos de transporte, este Rock in Rio tem tudo pra ser o melhor de todos, já que Rio de Janeiro ganhou mais corredores de BRT e também uma nova linha de metrô, que liga a Barra à Zona Sul, fruto também do planejamento para os jogos olímpicos.

Como nas edições anteriores, não será possível chegar na Cidade do Rock de carro. E para descer em frente ao portão principal do festival, só utilizando o sistema BRT de ônibus, ou fazendo uma dobradinha Metrô+BRT. Ou seja, Uber, Cabify ou Táxi para os shows, nem pensar.

Crédito: Mariordo59 (Flickr/ Creative Commons)

O BRT já funciona 24 horas normalmente, o que também ocorrerá excepcionalmente durante o Rock in Rio para a estação Jardim Oceânico (Barra da Tijuca) do metrô, sendo uma ótima opção para chegar aos bairros cobertos pelas linhas 1, 2 e 4, quando cada uma terá o último carro partindo à 0h, e estações funcionando das 0h às 5h apenas para desembarque.

Nota: A partida da Linha 2 é na Estação Botafogo. Ou seja, quem precisar de metrô para chegar à alguma outra estação da Linha 2, já terá que estar às 0h em Botafogo para não não perder o último trem.

Veja como fica o esquema para chegar à Cidade do Rock partindo dos principais pontos do Rio de Janeiro:

  • Centro e Zona Sul 

Quem sai do Centro e dos bairros da Zona Sul (Laranjeiras, Flamengo, Botafogo, Copacabana, Leblon, Ipenema, Gávea, Leblon e São Conrado) do Rio de Janeiro para a Cidade do Rock deve pegar o metrô da linha 4 no sentido Jardim Oceânico.

Ao chegar na estação, siga a sinalização que indica o caminho das plataformas para o Terminal BRT Jardim Oceânico, onde haverá uma linha especial para a Cidade do Rock sem paradas. Mas, se a fila para a linha especial estiver impraticável (o que é bem provável em alguns horários), você pode pegar também os BRT’s das linhas Sulacap ou Madureira (Linhas Expresso) em direção à Estação Rio 2.

Da Estação Rio 2, é possível ir caminhando até a cidade do Rock, mas quem quiser evitar a fadiga pode pegar um BRT parador e soltar um ponto à frente na Estação Parque Olímpico, que fica exatamente na frente do portão principal do evento.

  • Centro: Aeroporto Santos Dumont

Para os loucos que chegarão de bate-volta aéreo e chegarão pelo Aeroporto Santos Dumont, o ideal é pegar o VLT em frente ao aeroporto e ao chegar na Estação VLT Cinelândia, que fica no Centro da Cidade. Ou seja, de lá é só seguir o mesmo que já foi dito para quem sai do Centro.

  • Centro: Rodoviária Novo Rio

Quem chega pela Rodoviária Novo Rio, deve pegar o VLT e descer, seja na estação VLT Carioca ou ou VLT Cinelândia, que ficam no Centro da Cidade e de frente para as respectivas estações de metrô. Daí então, siga as mesmas instruções dadas para quem sai do Centro.

Os Aeroportos Santos Dumont e Galeão, e a Rodoviária Novo Rio serão pontos de partida do serviço Rock in Rio Primeira Classe, que explicarei mais adiante.

  • Barra da Tijuca

Para quem estiver hospedado na Barra da Tijuca, a melhor estratégia é utilizar qualquer uma das estações BRT na Avenida das Américas, que corta o bairro todo, e pegar os ônibus paradores em direção ao Parque Olímpico (Linhas Parque Olímpico) e descer na estação de mesmo nome.

  • Aeroporto do Galeão

Seguindo a linha “sou loucão, e tô de bate-volta aéreo/ vou direto direto do aeroporto” e que chegarão pelo Galeão, a forma mais barata de ir para Cidade do Rock é utilizar a linha semi-direta do BRT Transcarioca que parte das estações em frente ao Terminal 1 (Portão H) ou no Terminal 2 (Porão D) em direção ao Terminal Alvorada.

Chegando ao Terminal Alvorada, devem fazer baldeação para pegar o BRT parador (Linha Parque Olímpico) e descer na estação Parque Olímpico, que fica de frente para o portão principal do evento.

Como utilizar o Transporte Público no Rio de Janeiro

Para utilizar qualquer meio de transporte no Rio de Janeiro, a forma mais prática e econômica é adquirir o Bilhete Único Carioca logo que desembarcar na cidade, nos pontos de venda e nos guichês e/ou máquinas de auto-atendimento disponíveis nos Aeroportos do Galeão e Santos Dumont, na Rodoviária Novo Rio e em todas as estações do BRT e VLT. Se necessário, as recargas podem ser feitas pela internet no site do Rio Card. Os cartões Rio Card são aceitos nas catracas de todos os modais cariocas e as tarifas cobradas em cada um estão detalhadas abaixo:

Fonte: Rio Card

Serviço Especial Rock in Rio Primeira Classe

Repetindo o que foi feito com sucesso nas últimas duas edições, o Rock In Rio trará o serviço de ônibus Primeira Classe, que basicamente oferece ônibus do tipo executivo (frescões), que são mais confortáveis, possuem ar-condicionado, poltronas reclináveis e sairão de 17 pontos estratégicos dentro e fora da cidade com hora marcada.

Como funciona? Ao adquirir o serviço você receberá uma versão diferente do Rio Card, que se chamará Rio Card Duo Visa Edição Especial, que durante o evento só servirá para a utilização do serviço Rock in Rio Primeira Classe e como cartão pré-pago para compras. Não dá, por exemplo, pra carregar e sair passeando pela cidade com ele.

Rio Card Duo Rock in Rio 2017 (Fonte: Rio Card)

Não será possível utilizar nenhuma outra versão do Rio Card (Bilhete Único, Rio Card Expresso) ou qualquer outra forma de pagamento direto com o motorista. Você também não poderá utilizar os ônibus em ponto de partida, data e o horário diferente daqueles que você escolheu no ato da compra. Ou seja, chegou atrasado, perdeu!

Haverá saídas por até 2h após o último show de cada noite, e você só poderá utilizar o cartão no carro que estiver retornando para o mesmo ponto de onde você partiu.

Após o Rock in Rio, os cartões Rio Card Duo Visa Edição Especial serão liberados para utilização normal no transporte público. Mas só depois, OK? 🙂

Quanto Custa? O valor é bem salgado: R$ 100 por dia de utilização.

Quais os pontos de partida? Os locais exatos ainda não foram divulgados, apenas os pontos de referência, que são:

  • Aeroporto Santos Dumont
  • Aeroporto Tom Jobim – Galeão
  • Barra da Tijuca
  • Botafogo Praia Shopping
  • Centro
  • Copacabana
  • Ipanema
  • Lagoa
  • Méier
  • Norte Shopping
  • Recreio Shopping
  • Rodoviária Novo Rio
  • Shopping Nova América
  • Shopping Rio Sul
  • Tijuca/Saens Peña
  • Petrópolis
  • Niterói

Aonde Comprar? Até o dia 01/09/2017 você pode adquirir pelo site Rock in Rio Primeira Classe. Após essa data, só será possível a compra nos pontos de venda (que ainda não foram divulgados).

Aonde retiro os meus ingressos?

O local de retirada dos ingressos para o Rock in Rio dependerá da data em que você irá pegá-los, da seguinte forma:

Até o dia 14/09: retirada no stand que fica no mezanino da Estação de Metrô Carioca, no centro da cidade. É possível agendar o horário da retirada de ingressos clicando aqui, e assim evitar filas. Horários:

  • Segunda à Sexta: 11h às 19h.
  • Sábados: 9h às 14h.

A partir do 15/09 até o último dia de show, a retirada das pulseiras será feita somente nas bilheterias da Nova Cidade do Rock. Horários:

  • Dias de Show: das 10h às 22h.
  • Dias sem shows: das 11h às 19h.

E NÃO IMPORTA O QUE ACONTEÇA, NÃO PONHA A PULSEIRA NO BRAÇO ANTES DO DIA DO SHOW!!!

Rock in Rio: Onde Ficar?

Levando em conta que você vai sair moído de tão cansado e com as costas pedindo arrego, preparamos uma lista com hostels e hotéis com fácil acesso ao Rock in Rio via metrô e BRT, já que quanto menor a relação distância/tempo entre você e sua cama, mais inteiro você estará no dia seguinte.

Os bairros escolhidos são estratégicos e ficam no caminho para o festival. Por exemplo, mesmo que Santa Teresa seja o bairro mais cool da cidade, a gente evitou por ser a maior contra-mão possível em relação à Cidade do Rock no horário da volta. O Centro da Cidade também ganhou uma boa leva de hotéis novos e com diárias baratas com a revitalização da Lapa e a inauguração do Porto Maravilha, mas também exigirá de você uma combinação do metrô com taxi/uber, fora o fato de que o Porto Maravilha não tem opções para aproveitar a noite.

Outros dois critérios utilizados foram mapear hostels/hotéis com disponibilidade para chegada no dia de início de cada final de semana e saída um dia depois, e para não te mandar pra qualquer muquifo velho só por causa do preço, só entraram nessa lista propriedades com notas acima de 8 no Booking.com.

Hotéis e Hostels com diárias camaradas e que ainda tem quartos disponíveis

Foi um verdadeiro garimpo, já que a ocupação média já está acima de 90% nos hotéis que possuem boa localização em relação à Cidade do Rock. Eis os nossos achados:

  • Barra da Tijuca

Por ser o bairro aonde ocorrerá o evento, os hotéis na Barra da Tijuca foram os primeiros a esgotar a capacidade para o Rock in Rio. Com exceção do Promenade Paradiso, que fica bem na Avenida das Américas e dá acesso ao BRT e shoppings, as outras boas opções no bairro ficam na praia e vão te fazer gastar um trocado com um Uber para acessar os pontos de transporte que levarão ao Rock in Rio.

O Novotel Barra da Tijuca é o mais próximo do Terminal Alvorada, principal terminal de BRT da Barra. Já o Windsor Oceânico e o Royalty Barra ficam pros lados da Praia do Pepê e do Jardim Oceânico, de onde partirá o BRT sem paradas para o festival.

+Ofertas de Hospedagem na Barra da Tijuca

No Jardim Oceânico também há duas boas opções para quem curte ficar em hostels, que são o Hostel da Barra e o Beach House Jardim Oceânico (que tem uma filial à beira-mar, o Beach House Barra da Tijuca).

  • Leblon e Ipanema

À um só tempo próximos da Estação General Osório do metrô e das praias de Ipanema e o Arpoador estão os hotéis Best Western Premier Arpoador Fashion e o aconchegante JM Guesthouse. Esse pedaço de Ipanema é absolutamente perfeito para quem curte bons restaurantes e quer opções para curtir a noite perto do hotel.

O bairro tem mais duas estações de metrô. Na direção do Posto 10 está a Estação Nossa Senhora da Paz, aonde fica o super bem avaliado Ipanema Inn, além do Hostel Mango Tree.

Ipanema e Leblon quase que se confundem, ao ponto de você mal saber quando sai de um e entra no outro. Bem próximas uma da outra, meio que numa região de transição entre os dois bairros, ficam as estações Jardim de Alah e Antero de Quental da linha 4 do metrô carioca. E é ali que ficam quatro hostels com localização super estratégica: No lado que tá mais pra Ipanema, o Che Lagarto e o Ipanema Beach Hostel. Já no lado que tá mais pra Leblon, o Lemon Spirit e o ID Hostel Leblon.

+Ofertas de Hospedagem em Ipanema e no Leblon

  • Copacabana

Nenhum outro bairro do Rio de Janeiro é mais conhecido em todo o mundo do que Copacabana, e a princesinha do mar é a região que mais atrai os turistas na cidade, por conta das praias e da vida noturna cheia de ótimos bares e lugares para quem gosta de dançar. E pra quem vem para o Rock in Rio, Copacabana faz o melhor meio de campo entre a Cidade do Rock e as atrações turísticas da cidade.

A meia quadra de uma das entradas da Estação Cantagalo, uma entre as três estações de metrô do bairro, os hotéis Íbis Posto 5 e Atlântico Rio estão entre os preferidos em Copacabana pela localização estratégica, perto do Forte de Copacabana e à uma simples caminhada da Lagoa Rodrigo de Freitas e do Arpoador.

Exatamente de frente para a Estação Siqueira Campos estão os hotéis Atlântico Copacabana e o Premier Copacabana. É atravessar a rua e entrar no metrô. Na mesma quadra, dois hostels entre os melhores da cidade: o Casa del Mar e o famoso El Misti House.

Quem não se importar de andar duas ou três quadras entre o hotel e o metrô, ainda encontra quartos disponíveis no Américas Copacabana Hotel e nos hostels Social Copacabana, Chill on The Beach, Rio Rockers e Brazuca’s.

No extremo do bairro, o Best Western é outro que fica quase na porta do metrô, só que nesse caso a estação é a Cardeal Arcoverde.

+Ofertas de Hospedagem em Copacabana

  • Botafogo

Com espírito jovem e a maior concentração de pubs da cidade, Botafogo, que de uns tempos pra cá vem ganhando o apelido de Bota Soho, cativa o coração da galera por ser um dos poucos lugares da Zona Sul aonde ainda se vê uma cultura de calçada, de ficar na rua, e também por ser o endereço dos restaurantes em ascensão na cidade.

Orbitando em volta das entradas da única estação de metrô do bairro, e de frente para um verdadeiro combo de pubs na Rua Nelson Mandela, estão o novato e moderno Zii Hotel Botafogo (com duas entradas do metrô ao atravessar das ruas ao redor) e os já conhecidos Íbis Botafogo e Mercure Mourisco. O Ace Praia de Botafogo é um hostel que fica na mesma quadra e calçada da estação. O Botafogo Praia Shopping fica a 5 minutos de caminhada de todos.

Não muito longe, há ainda os hostels Vila Carioca e Injoy, na Voluntários da Pátria (uma das principais do bairro), e os renomados Contemporâneo e Hospedaria Rio, respectivamente na Rua Bambina e em uma de suas transversais, a Vicente de Sousa, onde há um bom número de bares, um ótimo supermercado, além de estarem também muito colados no Botafogo Praia Shopping e ter acesso rápido ao metrô.

A região da Rua Farani, ainda em Botafogo, só que mais próximo da Estação Flamengo tem ainda os hotéis Yoo2 Botafogo by Intercity e Novotel Botafogo, ambos de frente para a Praia e com um visual espetacular da orla e do Pão de Açúcar, e à aproximadamente 10 minutos do metrô.

+Ofertas de Hospedagem em Botafogo

  • Catete

Uma boa opção pro bolso é o Hotel Windsor Florida, que fica a poucos metros da Estação Catete, bairro que fica no meio termo entre Botafogo e o Centro da Cidade.

Óbvio que essa lista não fica congelada, então é possível que as vagas se esgotem até que você esteja lendo esse guia, aí a gente deixa essa pré busca com todas as opções que respeitaram os nossos critérios pra você procurar alternativas

Onde Comer?

Por fazer parte de uma região predominantemente residencial, tomada por grandes condomínios, a Avenida Abelardo Bueno, onde fica a Nova Cidade do Rock, não tem muitas opções de alimentação próximas ao evento, além das praças de alimentação dos Shoppings Rio 2 (mais próximo) e Metropolitano (maior e com mais opções).

Ou seja, quem quiser opções mais genéricas pra forrar o estômago antes de entrar nos shows e encarar os preços pouco amigos da Cidade do Rock, encontrará os fast-foods e “restaurantes de shopping” conhecidos Brasil afora ali por perto.

Neste post, eu vou dar um pequeno spoiler da versão carioca do meu futuro guia gastronômico para ogros assumidos, mas que servirá para você utilizar perto do seu hotel e/ou nos dias de passeio pela cidade.

+Quanto custa comer no Rock in Rio? Veja aqui alguns preços que serão cobrados na praça de alimentação da Cidade do Rock

As hamburguerias mais f* do Rio de Janeiro

Caras, nada mais Rock n’ Roll pra mim do que fast food, e a moda da vez é abandonar um pouco as filas do Mc Donald’s e do Burger King pra provar sabores mais variados e trabalhados nas pequenas hamburguerias artesanais, que invadiram a cidade nos últimos 3 anos “para noooooooooossa alegriaaaa!!!” =D

Segue uma lista com as melhores hamburguerias artesanais dos bairros mas frequentados por turistas aqui no Rio de Janeiro, e no final tem um mapinha com a localização exata das unidades de cada uma.

Hell’s Burger – Caras, o Hell’s apostou em uma especialidade e venceu: burguers de filé de costela bovina suculentos ao extremo. A principal criação da casa é feito de 200g de filé de costela, cheddar derretido e temperos especiais. O fifty-fifty traz um blend com metade filé de costela, metade bacon defumado.

Cebola caramelizada na IPA, cheddar inglês e molhos como o Voodoo Barbecue fazem parte do elenco de adicionais.

No cardápio de bebidas, além de cervejas especiais renomadas como a Colorado e a Brooklyn, eles fizeram uma parceria com a Cervejaria Antuérpia para criar a From Hell, uma American Lager artesanal que harmoniza perfeitamente com os pratos da casa.

Reserva TT Burger – Quando, para a nossa felicidade, a febre da gourmetização atingiu os burguers em cheio, o Reserva TT foi um dos primeiros, senão o primeiro, expoentes do assunto no Rio de Janeiro. Comandado pelo chef Thomas Troisgros, a casa privilegia cortes bovinos tipicamente Brasileiros, mas conta até com opções vegetarianas no cardápio.

O campeão de vendas é o famoso Matador de Fome, que traz um blend triplo de acém, contrafilé e fraldinha, acompanhado por queijo meia cura, picles de chuchu, tomate, alface romana e o molho secreto da família Troisgros. Você ainda pode escolher entre pães de batata doce, pimenta e malte.

Opa! Um T.T.zão saindo! 😱😍 #ttburger #venhacomfome

A post shared by T.T. BURGER (@t.t.burger) on

Beco do Hamburguer – O hamburguer do beco chama muito a atenção por dar atenção especial para a carne. Enquanto os acompanhamentos são simples e totalmente sem frescura, a carne Angus com tempero e preparo muito especiais fazem total diferença e explicam a fama que a casa ganhou no Centro do Rio de Janeiro.

Hamburgueria da Alfândega – O Português Gonçalo Carvalho oferece um blend interessante de peito de boi e fraldinha, sempre moídos no dia e preparados na churrasqueira.

Além do sabor e do conceito artesanal, o que atrai também é que não há uma receita fechada. Você vai escolhendo o tipo de pão, o queijo, entre outros ingredientes, e monta um sanduíche totalmente do seu jeito.

Hamburgueria S/A – No epicentro da correria do Centro do Rio de Janeiro, três casais se juntaram para abrir a Hamburgueria S/A. Além dos tradicionais hamburguer e e cheeseburguer, feitos com carne 100% Angus, lá os vegetarianos também tem vez.

Vale um destaque especial para o barbecue artesanal da casa, que é de quebrar a banca!

B, de BurgerOlhando o cardápio, você já nota que os caras jamais brincam em serviço. Pra mim, que sou um ogro assumido, nada se compara ao “B, de Bárbaro”, blend da casa envolto na trama de bacon, com cheddar, alface e maionese de pesto, dentro do pão de cerveja (Abusivo ou não?). Versões light como os burguers de frango e o vegetariano, feito com Shiitake e carinhosamente chamado de Plano B também estão entre as opções.

O segredo nada guardado pela casa é a grelha Portuguesa de cerâmica que dá a selagem e a textura perfeita à carne, enquanto confere também o aroma da brasa.

Brothers Burgers – De frente para a Praia da Barra da Tijuca (próximo ao Terminal Alvorada), o chef Adriano Kanashiro tem feito história com seus burguers animais, em uma casa acolhedora e que preza pela multiculturalidade.

O carro-chefe é o burguer que traz um blend surreal de angus black e filé de costela. Além da preparação regular, as batatas que acompanham o combo também são oferecidas em versões especiais, modificadas a cada dois meses.

Cafés tão bons quanto um solo do Slash

Nada contra os Starbucks, California Coffees e Mc Cafés da vida. No dia a dia faço bom uso dos fast coffees, mas tem horas que a vida pede algo mais exclusivo, especial, e com certeza as viagens fazem parte desses momentos. Para quem estará no Rio de Janeiro durante as duas semanas de Rock in Rio, segue uma lista dos cafés mais descolados da cidade.

A Curto Café ganha a galera tanto pelo sabor, quanto pela inovação no relacionamento com os clientes. São cinco torras especiais, com sementes moídas na hora para a preparação dos cafés e o preço é você quem define. Exato, você paga o quanto achar justo pelo café.

E se gostar muito, eles ainda vendem o pó de café para você levar para casa (mas esses tem tabela, jovem! 😉 ).

Ainda no Centro da Cidade, as vizinhas rua Gonçalves Dias e Sete de Setembro guardam cafeterias que são verdadeiras jóias culturais do Rio de Janeiro. A enorme e pomposa Confeitaria Colombo, é a única que eu conheço que além das funções normais, é também um ponto turístico. Toda a tradição da casa, e a beleza conservada do salão com 120 anos de história e acontecimentos políticos e sociais, fizeram da Colombo um patrimônio do Rio, e hoje transforma um simples café na experiência de sentir como era fazer parte da alta sociedade Carioca no passado.

Quase de frente para a Colombo e menos disputada que a vizinha ilustre, na Deli 43 – Pavelka você pode combinar aquele café da tarde, com os sabores de doces e salgados tradicionais da cozinha alemã, como croquetes, sanduíches de linguiça e o absolutamente imperdível Strudel de Maçã.

Da Alemanha para Portugal virando apenas uma esquina, na Casa Cavé o tradicional cafézinho ou um robusto espresso (lembrando que, tradicionalmente, o café é espresso e não expresso, jovem :p ) ganham a companhia dos venerados doces portugueses. Na ativa há mais de 150 anos, Amazing fucking pasteizinhos de Belém são as maiores estrelas do casa.

Bem próximo da Praça Mauá, o Grão Café é uma ótima pedida para uma pausa antes, durante ou depois de passar o dia aproveitando as atrações do Boulevard Olímpico.

Há bem pouco tempo, numa procura por padarias artesanais no Rio de Janeiro, eu acabei conhecendo a The Slow Bakery, que fica bem na meiuca entre Botafogo e o Humaitá, e posso dizer que foi um achado e tanto. Os caras fazem pães e bolos resgatando métodos originais de panificação e, óbvio, dando uma pegada mais gourmet em receitas de sanduíches. Já não consigo passar pela São João batista sem pensar em um expresso com os croques da casa.

Idealizado por um engenheiro apaixonado pelo mundo dos cafés, a pegada mais nerd foi mantida ao talhar o conceito do Sofá Café, onde após pesquisas de campo e estudos sobre a bebida dentro e fora do Brasil, a casa oferece as melhores variedades de cafés de origem controlada, combinadas com diferentes processos de extração. Além disso, o ambiente é aconchegante e ótimo para quem gosta de conversar com os baristas para aprender mais sobre o assunto.

Plage café breakfast/brunch/lunch/apéritif#parquelage#jardimbotanico#riodejaneiro

A post shared by Plage Café / Parque Lage-RJ (@plagecafe) on

O D.R.I Café du Lage sempre faz presença nas listas de melhores lugares do Rio de Janeiro para tomar café da manhã, já que além de oferecer um menu completo de café da manhã com pães, frutas, iogurtes e um monte de coisa que você mal consegue dar conta por um preço razoável, fica dentro do pátio da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, cercado pelo verde da região do Jardim Botânico.

Outro cheio de métodos de preparo especiais é o Bastarda, que fica atrás do Jardim Botânico, na subida pro Horto e Vista Chinesa. A via é uma das rotas clássica de ciclismo no Rio de Janeiro e a cafeteria se propõe a ser um ponto de descanso para a galera das bikes, trazendo além de ótimos cafés, uma lojinha de roupas e acessórios para ciclistas. Também é a parada perfeita pra quem está de passeio com seu cão de estimação, já que a casa aceita a entrada de cachorros.

Vai um chocolate quente ou café coado neste frio!? #bastarda

A post shared by B A S T A R D A (@bastarda.cafe) on

É no bonito casarão da esquina da Visconde de Ouro Preto com a Muniz Barreto que fica o Café do Visconde. Lá, tradicionais espressos de cada dia, sem muita firula, fazem a combinação perfeita com pães de queijo recheados e bolos especiais.

Segue o mapa com as nossas sugestões de melhores cafés do Rio de Janeiro.

Dias sem shows no Rock in Rio – O Que fazer?

O Rio de Janeiro ainda respira ares olímpicos e além dos clichês mais óbvios como o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar e aquela caminhada clássica no calçadão de Copacabana (que juntos já montam um roteiro perfeito para um dos três dias), a parte da cidade que pede passagem é o Porto Maravilha, principal legado turístico das olimpíadas.

Uma simples caminhada pelo Boulevard Olímpico e pela Orla Conde, com uma parada esperta pela renovada Praça Mauá, revela a mais nova cara do Rio de Janeiro e trouxe novas opções para turistas e Cariocas explorarem a cidade.

Bem no início do Boulevard Olímpico está a mais novo objeto de desejo das crianças (pequenas e grandes =D ) da cidade, o AquaRio, que foi construído para ser o maior aquário da América do Sul. Nos tanques com capacidade para 4,5 milhões de litros de água, estão distribuídos 8 mil animais de 350 espécies, e a maior atração é o tanque principal, que é atravessado por um túnel transparente que dá sensação de estar nadando com peixes, arraias e os tubarões.

Andando em direção à Praça Mauá, não há como resistir ao Mural Etnias, pintado pelo mundialmente conhecido Eduardo Kobra, que representa a união entre os povos dos cinco continentes, representada por rostos típicos dos povos Huli da Nova Guiné, Mursi da Etiópia, Kayin da Tailândia, Supi da Europa e os Tapajós das Américas, em alusão aos cinco anéis olímpicos. A obra foi reconhecida pelo Guinness Book como o maior grafite do mundo, com seus impressionantes 3000 m² de extensão.

Um pequeno desvio do caminho ao final do mural e você vai ao encontro da mais nova relíquia histórica da cidade: as ruínas do Cais do Valongo. Descoberto durante as escavações para a revitalização da região do Porto Maravilha, o sítio arqueológico é o exato local aonde as embarcações que traziam os cidadãos africanos escravizados atracavam e hoje é um dos patrimônios mundiais declarados pela UNESCO.

Retornando ao Boulevard Olímpico e caminhando até a renovada Praça Mauá, mais um parada pra fotos já que o Rio de Janeiro entrou na moda dos letreiros gigantes, e ganhou uma dupla de museus novinhos em folha: o Museu do Amanhã e o Museu de Arte do Rio (MAR, para os íntimos).

O primeiro não é necessariamente um museu, no sentido literal da palavra, mas sim uma exposição para estimular o pensamento no futuro do planeta, utilizando recursos avançados de áudio e vídeo para transmitir idéias e provocar o senso comum, questionando principalmente o rumo os padrões de consumo do ser humano tem definido para a qualidade de vida da população mundial.

A arquitetura e o entorno do prédio, projetado pelo espanhol Santiago Calatrava, são ímpares na cidade.

Já o MAR, que foi a primeira obra entregue no projeto do Porto Maravilha, é um espaço dedicado às artes visuais e apresenta exposições com temas ligados ao Rio de Janeiro como carro-chefe, na companhia de outros assuntos mais variados. Do último andar, você terá uma das melhores vistas para a Baía de Guanabara.

Às terças, tanto o MAR, quanto o Museu do Amanhã tem entrada franca.

Seguindo o passeio, a Orla Conde é ideal para uma caminhada relaxante, num calçadão novinho à beira-mar e que se estende até a Praça XV (Dominada por skatistas aos sábados, dia em que também ocorre a Feira da Praça VX, que traça uma rivalidade sadia com a Feira do Lavradio pelo posto de melhor feira de antiguidades da cidade).

No meio do caminho, a Pira Olímpica ainda está de pé para ser vista, ainda que sem fogo. Para fechar o dia, a dica é dar uma passada no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB-RJ), que é onde rolam as exposições mais visitadas da cidade.

Em um terceiro dia de passeios, vale muito curtir a manhã no Jardim Botânico, um dos lugares mais tranquilos e agradáveis da cidade. Lá dentro, o tradicional corredor de palmeiras imperiais, o Jardim Japonês e a estufa de orquídeas são os meus locais prediletos, e não importa quantas vezes eu visite o parque, sempre fico impressionado.

Do Jardim Botânico para o Largo da Carioca, no Centro da Cidade, onde um dos maiores símbolos da cidade voltou a funcionar para felicidade de cariocas e turistas: o tradicional Bonde de Santa Teresa! Percorrendo o tradicional caminho por cima dos Arcos da Lapa e adentrando o antigo bairro, cheio de casarões e que hoje á habitado por vários artistas. Desça no tradicional Largo dos Guimarães e vá caminhando até o Parque das Ruínas, que além de ser um dos cenários mais “instagramáveis” da cidade, tem uma vista incrível do último andar da antiga casa.

Se a fome bater, Santa Teresa é um dos melhores locais para apreciar a culinária legitimamente carioca. No entorno do Largo dos Guimarães há vários restaurantes e botecos tradicionais, e a minha recomendação vai pro Bar Simplesmente, que serve uma feijoada pra ninguém botar defeito.

Se a atmosfera lotada de cultura de Santa Teresa não te tragar totalmente (ou se a feijoada não te derrubar =D ), retorne ao Largo da Carioca, e de metrô, siga para o Maracanã para uma visita ao maior do mundo. O passeio não dura mais que uma hora e você conhece cada setor do estádio, inclusive os vestiários (um deles tem uma exposição de camisas usadas pelas seleções na Copa de 2014), o túnel de acesso ao campo e pode dar uma chegada na beira do gramado. Ao final, há uma outra exposição de objetos históricos de craques do passado.

A cultura do Rock n’ Roll sobrevive no Rio de Janeiro e vai além das datas do Rock in Rio. Preparamos essa lista com 10 Bares de Rock para todos os estilos espalhados pela cidade, para ninguém ficar parado nas noites em que não estiver curtindo um som ao vivo na Cidade do Rock. E para quem quiser curtir um som diferente, as noites ecléticas da Lapa são certeiras e nunca decepcionam.

+ Passeios e Tours Organizados no Rio de Janeiro

Mais que 3 dias de folga?

Mais dias na cidade, abrem a possibilidade de explorar o Centro com mais calma ou fazer um bate-volta para alguma cidade vizinha. Os bate-voltas mais tranquilos de fazer em um só dia, saindo do Rio são:

Petrópolis – A Cidade Imperial, que pelo clima mais frio da Região Serrana atraiu a Família Real Portuguesa para erguer o enorme palácio onde hoje funciona Museu Imperial, onde as relíquias dos monarquia luso-brasileira estão expostas.

+Aluguel de carros em 12x e sem IOF para percorrer o Rio de Janeiro

Mesmo com a família real habitando Petrópolis, nenhuma outra influência se fez tão marcante na cidade quanto a alemã. A arquitetura, a gastronomia e a cultura cervejeira não passam despercebidas em momento algum. Um dos principais marcos dessa influência foi o estabelecimento da Cervejaria Bohêmia, que promove o Tour Cervejeiro em sua tradicional fábrica, onde parte desse legado alemão é contado. O tour é feito totalmente nos moldes do Heineken Experience, em Amsterdã. Não perca a oportunidade de almoçar no Restaurante Panorâmico da fábrica, onde o cardápio é repleto de sugestões harmonizadas com os rótulos da casa.

Chegando cedo à cidade dá pra encaixar facilmente no roteiro o Palácio de Cristal, a Catedral Metropolitana em estilo gótico (onde fica a cripta com os restos mortais da família imperial) e a magnífica Casa de Santos Dumont. Bem perto da casa do inventor do avião, não deixe de fazer uma visita à loja da famosa Chocolateria Katz.

Com um pouco de disposição dá pra conhecer essa parte da cidade apenas caminhando 🙂

Logo na entrada da cidade, a praça em frente a fachada do SESC Quitandinha é parada obrigatória para fotos.

Arraial do Cabo – Em todo o Rio de Janeiro, em nenhum outro lugar você encontrará um mar de águas de um azul turquesa tão forte quanto em Arraial. Não tem erro: separe o dia para fazer o passeio de barco que sai do píer da Praia dos Anjos (tem barco pra todo mundo), passando por praias paradisíacas, visitando a entrada de grutas e a Ilha da Marinha, onde fica a praia que guarda o título de uma das mais bonitas do Brasil.

Arraial também é um dos melhores lugares para fazer o batismo no mergulho nas proximidades do Rio de Janeiro.

Búzios – Além de praias lindas e passeios de barco, Búzios tem uma orla de cinema e a famosa Rua das Pedras, cheia de lojas de grife e diversos restaurantes dedicados a gastronomia local e internacional. É a cidade preferida pelos ricos e famosos, e também de estrangeiros que se estabelecem aqui. A paixão de Brigitte Bardot pela cidade foi eternizada em uma estátua da atriz à beira-mar.

Paraty – Herança dos tempos do Brasil Colônia, do ciclo do café, de frente para o mar da Costa Verde, Paraty fica no outro extremo do litoral do estado, seguindo o curso da BR-101 é a ultima cidade rumo à São Paulo. Hoje, a cidade mantém o charme dos casarios centenários e das ruas de pedra no Centro Histórico, onde a atmosfera cultural e boêmia dos bares, casas de cultura e ateliês, se mistura com o estilo de vida caiçara, marcadamente representado pela gastronomia local.

Todas as quatro cidades tem ônibus saindo da Rodoviária Novo Rio com uma boa frequência, mas como a cidade estará lotada durante os dia de Rock in Rio, vale a pena reservar as suas com antecedência, caso esteja planejando um bate-volta.

Além dos ônibus, há também uma boa oferta de traslados particulares e tours fechados para essas cidades, que pegam você na porta do hotel e levam para os destinos combinados.

Ilha Grande

Dentre as cidades vizinhas ao Rio de Janeiro, Ilha Grande (Angra dos Reis) é sem dúvida alguma uma das mais visitadas por turistas Brasileiros e de todo o mundo. Mas eu só recomendo a visita se você dispuser de pelo menos três dias para explorá-la, já que menos tempo que isso vai inviabilizar muitas atividades. Com três dias você consegue fazer os passeios de barco mais famosos que são o “Ilhas de Angra” e o que dá a volta inteira na Ilha Grande, cada um com duração de um dia. E mais um dia permite que você aproveite sem correria as praias e cachoeiras que orbitam em torno da Vila do Abraão, principal porto de chegada e que concentra a maior parte da estrutura turística da ilha.

+Como Chegar em Ilha Grande por conta própria

+Ofertas de Hospedagem em Ilha Grande

Dicas de Segurança e Saúde

Mesmo que o momento do Rio de Janeiro em relação à segurança pública não seja lá dos melhores, em geral, dentro da Cidade do Rock o principal problema que pode ocorrer é a ocorrência de roubos de carteiras e celulares. Na maioria das vezes rola na mão leve, sem que você sequer note que está sendo roubado na hora.

Exato, tem gente que tem o espírito de porco tão grande que paga um ingresso caro só pra entrar em show e roubar quem está lá curtindo. Para evitar a aquela sensação triste (que eu conheço bem) de vazio no bolso, minhas melhores dicas são:

Quanto à precauções ao passear pela cidade:

  • Sair sempre só com o essencial e evitar expor objetos de valor a todo o momento;
  • Celular é o principal alvo de roubos e furtos em qualquer lugar do mundo, aqui não será diferente. Evite andar falando ou digitando no celular para evitar chamar a atenção de ladrões (e acidentes também);
  • Em hipótese alguma reaja ou enfrente assaltantes e ladrões;
  • No caso de algo acontecer, procure a delegacia mais próxima e registre a ocorrência.

Pra não dar o mole de passar mal no meio do festival e perder boa parte do dia no ambulatório:

  • Beba água. Em Setembro o sol já está ensaiando forte para o verão carioca;
  • Protetor solar também não é exagero;
  • Roupas leves e calçados confortáveis também não 🙂

+Nossos leitores tem desconto no seguro viagem da Mondial Assistance

+O que é permitido levar para o Rock in Rio

Uma regra geral, que tem uma chance grande de você utilizar:

  • Acredite, você vai se perder da sua galera em algum momento. Sendo assim, marque um ponto de encontro pra todo mundo se encontrar no final do show.

Às vezes basta um número mínimo de cuidados para evitar situações desagradáveis.

Caso alguma dúvida ainda persista, posta lá nos comentários que a gente tira pra você.

Gostou desse post? Compartilha com a galera nas redes sociais e curte a gente!

Créditos da imagem principal: Bernardo G. (Flickr/ Creative Commons)

Engenheiro Bioquímico por formação, Carioca por vocação, 30 anos.
11 em cada 10 sonhos seus envolvem nomadismo e lugares pouco convencionais ao redor do mundo. Uma hora ele acaba realizando.